Acerca de mim

A minha foto
Tudo o que quero e não posso, tudo o que posso mas não devo, tudo o que devo mas receio. Queria mudar o Mundo, acabar com a fome, com a tristeza, com a maldade.Promover o bem, a harmonia, intensificar o AMOR. Tudo o que quero mas não posso. Romper com o passado porque ele existe, acabar com o medo porque ele existe, promover o futuro que é incerto.Dar vivas ao AMOR. A frustração de querer e não poder!...Quando tudo parece mostrar que é possível fazer voar o sonho!...Quando o sonho se torna pesadelo!...O melhor é tapar os olhos e não ver; fechar os ouvidos e não ouvir;impedir o pensamento de fluir. Enfim; ser sensato e cair na realidade da vida, mas ficar com a agradável consciência que o sonho poderia ser maravilhoso!...

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018




INOCÊNCIA PERDIDA

Voando na vastidão do pensamento,
Ao encontro dos sentidos escondidos,
Navego esses meus desejos afligidos,
Entre cumes afiados do sentimento.

Entre este mim e aquele meu próprio eu,
Existe a aventura da natureza,
Onde o sonho se expõe à correnteza,
De uma realidade que se perdeu.

Ao longe, ouve-se o gemido da própria alma,
Na errância da sua contradição,
Naquele gozo desse irreal que a acalma.

Recolhe-se no infinito uma resposta,
Da felicidade em forma de oração,
Perdendo-se a inocência já exposta.

Carlos Cebolo




segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018



AREIAS DESERTAS

Nessa navegação dos seus desejos,
Sonhos deitados nas ondas do mar,
Deixados sozinhos para naufragar,
Entre esses sabores dos seus doces beijos.

Entre os dedos colhe areias desertas,
Do seu corpo feito profundo mar,
Que deixa escorrer nesse seu sonhar,
Por entre as brumas ainda encobertas.

Sente no olhar a brisa que vem longe,
Cavalgar que na praia vai morrendo,
No contraste do amor que vai crescendo,
Escondido por esse traje monge.

O mistério vem acentuar a crença,
Com esse chorar contido e impreciso,
Por entre as ondas do amor indeciso,
Fará que o seu sonho desapareça.

Carlos Cebolo


sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018



AROMAS TRAZIDOS PELO VENTO

Os raios solares aparecem na madrugada,
Rompendo as frias névoas, ultrapassando os montes,
Penetram nos campos verdes, iluminando as fontes,
Vencendo os tormentos de uma noite desgastada.

Gira a cúpula nesse seu eterno movimento,
Com suas dúvidas e pensamento profundo,
Marca as horas alegres e tristes deste mundo,
Colhendo esses aromas trazidos pelo vento.

Sentindo toda essa inércia de um esquecimento,
Onde esse fim do tempo, nele próprio se esboroa,
Deixando entre as pedras soltas, esse seu tormento.

Com esse fechar de olhos de uma intensa saudade,
Meu sonho vagueia no grito surdo que ecoa,
Pelos vales sombrios sem ter identidade.

Carlos Cebolo



quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018




ALVO SEM SETA

E meu cupido há muito já partiu,
Naquele amor que em mim se edificava,
Sonho meu que esta própria vida adiava,
E minha seta do arco não saiu.

Pequeno clarão na noite surgiu,
Na distância que o beijo deslumbrava,
O sentir do calor que me queimava
A esperança no amor que não reluziu.

Toda esta vida foi esquecimento,
Desses sonhos meus cada vez mais vagos,
Brumas esquecidas do sentimento.

O bom cupido entre as nuvens fugiu,
Sorvendo esse amor em pequenos tragos,
E esse amor aos poucos também caiu.

Carlos Cebolo


segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018



MEU AMOR

Meu amor é como pétala ao vento que voa,
Um pequeno gesto que de rosa se veste,
Belas cinzas trazidas por um vento agreste,
Sinfonia tocada que no tempo ecoa.

Espinho de rosa que absorve o seu aroma,
Numa desfolhada lembrando o triste fim,
De quem ao longe procura um pouco de mim,
Nessa leve brisa que passa e não retoma.

Meu amor será frescura de leve espuma,
Sem aquela esperança e sem futuro também,
Um amor que não teve importância nenhuma.

Meu amor será chama que toca rasante,
Rosa desfolhada que importância não tem,
Aquele desejo rápido que ficou constante.

Carlos Cebolo


sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018




NOVA OPORTUNIDADE

De novo, abre-se o horizonte da vida,
Entre silêncios de grande pranto,
Repentino surgir sem espanto,
A nova realidade vivida.

Bocas unidas, doce beijar,
Onde a calma se faz forte vento,
Com a grande paixão do pensamento,
Expulsa o drama que quer ficar.

Esse amor que se julgava amante,
De um olhar triste sem sua chama,
Com essa tristeza seguiu adiante.

Na distância da amizade, o amor
Que do imóvel momento faz drama,
Perdendo todo esse seu fervor.

Carlos Cebolo



quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018



MOMENTO

Se esse seu tempo for assim tão vago,
Que te permita dar-me um instante,
Desse teu tempo já tão inconstante,
Dar-te-ei o amor que comigo trago.

Um buquê em arranjo tão floral,
Flores silvestres que colhi para ti,
Junto as palavras que por ti senti,
Num fascismo de amor puro e carnal.

Se esse instante for muito para ti,
Peço-te só um pequeno momento,
Para fazer valer esse sentimento
Que na distância digo que senti.

Carlos Cebolo


segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018


SOL DE INVERNO

Este tempo frio e cinzento,
Entristece o meu coração…
Pensando no quente verão,
Junto à lareira onde me sento,
Nessa ânsia de te ver surgir,
Ao meu lado com o teu sorrir.

E esse frio subitamente,
Corando a tua linda face,
Tocada pelo Sol que nasce,
No calor que o meu corpo sente,
Transporta a vontade em poesia
E em tudo, um pouco desconfia.

Sem essa brisa que me acalma,
Sem o calor do teu abraço,
A timidez ganha o seu espaço,
Enfraquecendo esta pobre alma,
Que canta por ti, seus louvores,
Embebido em outros amores.

Carlos Cebolo



sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018



LEVEZA

Leve é o sentimento,
Com seu ondular constante,
Seguindo sempre adiante,
Sem escolher o momento,
Acolhendo o instante.

Leve é esse meu cantar,
Com a força da poesia,
Leveza que se cria,
Quando se quer amar,
Viver em alegria.

Mais leve é o pensamento,
Traçado num instante,
Desta vida passante,
Sem escolher o momento,
Neste mundo inconstante.

Carlos Cebolo




quarta-feira, 31 de janeiro de 2018



MOTIVO

Porque escrevo o instante que não existe?
Com a minha vida saudável e completa,
Imagino a vida de quem é triste,
Com o agrado de me chamarem poeta.

No florescer triste do fingimento,
Ser parente de uma vida fugida,
Sem ter gozo por qualquer pensamento,
Talho caminhos da vida perdida.

E assim escrevo esse sentimento mudo,
Um pouco de muito, um pouco de nada,
Escrevo esse amor que na vida é tudo,
Escondendo um pouco essa vida adiada.

Carlos Cebolo


segunda-feira, 29 de janeiro de 2018



RETRATO

Outrora jovem, sorridente de rosto magro,
Sentido dessa vida plena assim tão diferente,
Imagem esbelta desse espírito inconsciente,
Com sorriso nos lábios sem esse travo amargo,
Vivia esse amor, no calor que a vida consente.

Da juventude em mudança que ficou perdida,
Não dei por mim nessa passagem repentina,
Que pouco a pouco, assim deixou de ser sentida,
Naquele tempo alegre dessa vida tão menina,
Aguardando serena, o dia da partida.

Face iluminada do coração palpitante,
De uma juventude em qualquer espelho escondida,
Seguiu com o seu sonho por essa vida errante
E em qualquer dimensão ficou por lá perdida,
Deixando na realidade essa imagem inconstante.

Carlos Cebolo



sexta-feira, 26 de janeiro de 2018



IMAGINAÇÃO

Sinto esse teu olhar,
No momento em que me lês em poesia,
Aveludada e macia,
Pérola do teu chorar,
Nossos toques em perfeita sintonia.

Sem saber o teu gosto,
Na imaginação desse teu doce beijar,
Sinto esse desejar,
Pranto do meu desgosto,
Por não sentir em ti, esse meu sonhar.

Canto louvores à lua,
Serenata do meu desejo sem fim,
Rosa do meu jardim,
Pensar em te ter nua,
Com o toque do teu corpo bailando em mim.

Carlos Cebolo


quarta-feira, 24 de janeiro de 2018


AMOR SILVESTRE

Na margem, a flor triste cansada,
Silvestre malmequer colorido,
Submisso ao tempo e tão querido,
Alma triste assim desejada.

Trevo verde colhido aos molhos,
Travo sabor de belo agrado,
Que em ti se sente desejado,
Pérola solta desses teus olhos.

Veste as suas pétalas de seda,
A bela flor do meu encanto,
Lágrimas soltas nesse seu pranto,
Esperança que o amor lhe conceda.

E por ti, eu achar maneira
De colher os malmequeres teus,
Graças darei ao Senhor Deus,
Ter bela flor à minha beira.

Carlos Cebolo


segunda-feira, 22 de janeiro de 2018


MEDO

E o tormento, do imaginário se apodera,
Ouve-se duendes e gnomos nesse fraco luar
Que o vento tem dificuldade em explicar,
Na floresta sossegada, o silêncio espera
Entre sombras sentidas, com esse seu passar.

Naquela ilusão das sombras com o seu tormento,
Brisa lenta que passa no temor da folha,
Sem nada se ver com todo esse movimento,
Imagina-se o seu passar quando se olha,
Com o imaginário criado nesse momento.

E o seco frio percorre o corpo dorsal,
Fraquejo das pernas com todo esse sentir
Que o faz tremer, com o pensamento nesse mal,
Das almas atormentadas no seu partir,
Deixando o medo dessa solidão fluir.

Nem mesmo o chamamento da fada de luz,
Madrinha desse sossego ainda esperado,
Pode acalmar o medo que a noite produz,
No espírito que se supõe desesperado,
Com o medo que a própria imaginação induz.

Carlos Cebolo







sexta-feira, 19 de janeiro de 2018


PAUSA

A pausa de um momento,
Na vida que se sente e passa,
Marca no tempo o pensamento
Da vida que perde sua graça.
E com o passar do tempo se denota,
Como chamada de atenção,
Que qualquer dia o tempo se revolta,
Impondo a sua condição,
Deixando assim de passar,
Cansado nesse seu caminhar.

E se essa pausa se prolongar,
Por um tempo indesejado,
Deixa a vida de temer o passar
De um tempo já desgastado.
Cansado desse seu percorrer,
Com a crítica que é sentida
Por quem tem ânsia de viver,
Sem sentir a própria vida
Nesse frenético caminhar,
Pede pausa ao tempo, nesse seu passar.
E com a vida assim perdida,
Faz pausa o tempo, com a partida.

Carlos Cebolo



quarta-feira, 17 de janeiro de 2018


DAR-TE-EI UMA PRENDA

Dar-te-ei uma prenda!
Prenda que se deseja,
Sentir na tua mão.
Amor que não se venda
E que ao longe se veja,
Presa num coração.

Dar-te-ei o meu amor,
Enviado num olhar,
Em sinal de confissão.
Meu beijo com calor,
Sentindo esse beijar,
Num amor sem condição.

E em ti poder sentir,
Com doçura e carinho,
O calor de um vulcão
Que em mim fará florir,
O amor que adivinho,
Ao tocar tua mão.

Carlos Cebolo



segunda-feira, 15 de janeiro de 2018


CONTIDO NUM SONHO

Anos que se renovam…
Rebento a rebento se faz a Primavera,
Onde os ventos ecoam
E a vida desespera,
Entre sonhos que com o pensamento voam.

Esse nobre sentimento,
Tocado por lira celeste desafinada,
Distante do pensamento
Da própria alma encantada
Que na distância procura o amor do momento.

Em cantar desafinado,
Que ao longe toca e faz bater esse coração,
Como pêndulo descompensado,
Da varinha de condão,
Nessa sua ilusão, sente o amor desejado.

Carlos Cebolo


sexta-feira, 12 de janeiro de 2018



VIDA POR VIVER

Sinto por ti aquela saudade,
Fruto silvestre no amanhecer,
Na esperança que nos faz reviver,
Toda aquela nossa mocidade,
Vivida no sentido do amor,
Fogo ardente que perdeu fervor.

Passam os tempos, anos e segundos,
Passa o sentir dessa triste dor,
Essa vontade do nosso amor,
Que ficou nos momentos profundos,
Entre olhares e toques de magia,
Como profunda foi essa alegria.

Desperta a mente no amanhecer,
De um bem que se quis naquele passado,
Futuro entre os dois assim sonhado,
Do corpo que sente o entardecer,
Sem ter visto chegar o momento,
No sentir, de um forte sentimento.

Carlos Cebolo



quarta-feira, 10 de janeiro de 2018


ILUSÃO

Tua presença sinto; olhando o mar,
Mar que guarda esse teu íntimo segredo,
Desse devaneio que sente o medo,
De um tardio tempo, sempre a passar.

Sem ti, sonho com essa solidão
Que a onda sente no profundo mar,
Deixando-me histo nesse meu sonhar,
Sem conseguir agarrar tua mão.

Em consciência, escondo esse sentimento
Que nesses meus sonhos, me turva a mente,
No êxtase que o próprio corpo consente,
Como o mar consente o seu movimento.

E ao acordar, sentindo essa ilusão,
Fecho os olhos para voltar a sonhar,
Com essa tua imagem junto ao mar,
Agarrando essa minha solidão.

Carlos Cebolo



segunda-feira, 8 de janeiro de 2018


VIDA

Pálida esta vida que passa,
Passo tímido sem se ver,
Com esse tempo sempre a correr,
Uma sombra nua que esvoaça.

E assim só resta uma memória,
Da juventude que findou,
Por todo esse tempo que passou,
Sem por cá deixar sua história.

Só me resta aquela saudade,
Que o passado assim me revela,
E sentindo hoje a falta dela,
Tento agarrar a mocidade.

Carlos Cebolo



sexta-feira, 5 de janeiro de 2018


MARCAS NA AREIA

Pensar no que não fui,
Contendo minha mágoa,
Rostro banhado em água,
Amor que dali flui,
Num tempo que magoa.

Na areia marcas postas,
Com esse meu pensar,
Na margem desse mar,
Sentires que de mim gostas,
No eterno caminhar.

Sentindo a luz da lua,
No mar desse segredo,
Escondo esse meu medo,
De um dia não ser tua,
Mantendo o meu degredo.

Na noite quero dar,
Meu sonho, meu carinho,
Sentindo-te sozinho,
Controlo o meu sonhar,
Seguindo o meu caminho.

Carlos Cebolo




quarta-feira, 3 de janeiro de 2018


CAMINHADA CONSTANTE

 Por antes ser tão descuidado,
Sem estar triste nem pensativo,
Viver solene e primitivo,
Vivi o tempo indesejado.

Olhava essa estrela tão alta,
Que nessa altivez se fez fria,
Na sua distancia vazia,
Que na própria vida ressalta.

Colhendo esse efeito da ciência,
Com todo o seu momento triste,
Vida que agora não existe,
Com toda essa nova consciência.

Olho hoje essa estrela distante,
Não a querendo por companhia,
Com essa pálida luz vazia,
Na minha caminhada constante.

Carlos Cebolo



segunda-feira, 1 de janeiro de 2018


DESEJO DE TE LER

Grande é minha vontade para te ler,
Nudez em gomos de rosa celeste,
Verdade do sorriso que me deste,
Nesse momento em que te pude ver.

Ler teu corpo em toques de sedução,
Elevando essa fragrância que sinto,
Nesse teu sabor com travo de absinto,
Que afaga a dor de um triste coração.

Sentir na pele o toque de magia,
Em pétala perfumada desse amor,
Que activa no arco-íris a sua cor,
Nesse desejo que pinta a alegria.

Pudesse eu não sentir o uivar do vento,
Que me traz essa ânsia do desejar
Esses teus lábios que quero beijar,
Com essa insistência do meu pensamento.

Nesse teu corpo absorver a leitura,
Do intenso olhar onde sinto esse amor,
Sentindo no meu desejo essa dor,
Que leio no teu olhar com ternura.

Carlos Cebolo





sexta-feira, 29 de dezembro de 2017


TOQUE DE INFORTÚNIO

O Ser humano continua a não ser perfeito,
Símbolos de amor nessa elegância do pensamento,
Murcham flores, sem pedirem qualquer consentimento,
Na beleza dos seios, símbolo de amor imperfeito.

Na imperfeição de uma sombra escondida do nada,
Vence a força de vencer que dentro de si vem,
Que a faz vencedora na coragem que não tem,
Corando essa palidez de uma face enfadada.

Maldizendo esse dia em que tudo aconteceu,
Mudança repentina de todo esse viver,
Sofre a linda esposa mãe, onde o amor floresceu.

E no combate da vida que lhe foi imposto,
Com a memória do perfeito que a fez florescer,
Esconde essa amargura que lhe assombrou o rosto.

Carlos Cebolo



quarta-feira, 27 de dezembro de 2017


SONHO ALADO

Nessa penumbra de um instante,
Na demência da hora tardia,
Sozinha na cama vazia,
Alma tua, triste e distante.

No sonho alado que se deu,
Artistas na sua heresia,
Colhem a rima já tardia,
Desse poema que se perdeu.

Toco essa minha penitência,
Colhendo as pérolas do teu rosto,
Nessa sombra do teu desgosto,
Nas horas da minha demência.

Por ser natural não pensar,
Na tristeza que causa a dor,
Amante serei do teu amor,
Com todo esse triste cantar.

Florida todas as estações,
Primavera do meu amor,
No renascer da bela flor
Que abre os fechados corações.

Carlos Cebolo






sábado, 23 de dezembro de 2017



NATAL

E do Natal se fez magia,
Nesse criar do que não era,
Foi Cristo a sua primavera
E ao mundo trouxe sua alegria.

Nasceu esse manino monge,
Envolto na sua pobreza,
Com ensinamentos de certeza,
Mostrou a luz que chegou longe.

Tão longe na pouca distância,
Entre a morte e a vida vivida,
Sua parábola foi sentida
E da verdade se fez ciência.

A Era dourada escureceu,
Com três décadas o seu destino,
Na cruz deixou de ser menino
E toda a terra estremeceu.

Carlos Cebolo


sexta-feira, 22 de dezembro de 2017



NATUREZA DO SER

A natureza do ser é só nossa!
Nascemos, vivemos e morremos,
Amamos, choramos e fazemos chorar.
Somos chamados de humanos.
Mas como tal, pouco somos.

O nosso egoísmo nos faz esquecer,
Este caminho que percorremos,
Entre o princípio e o fim
E tudo o que fingimos não ver
Em todo este nosso caminhar.

Nesta natureza que é só nossa,
Sentimos a dor que temos
E o silêncio que nos faz sonhar,
Mas não aquela que não sentimos,
Mesmo ouvindo dela falar.

Na noite longa a esperança!...
Uma prece, talvez um verso,
O grande amor da criança
Que moldou o universo.

E esse Natal que assim surgiu,
Separou a escura noite do dia,
E com aquele amor que nos uniu,
Fez da tristeza a sua alegria,
Talhando estra natureza que é só nossa.

Carlos Cebolo


quarta-feira, 20 de dezembro de 2017


FEITIÇO AO LUAR

Se do meu pensar pudesse falar!...
Sentir em ti esse imenso calor,
Colhendo ao luar todo o teu doce amor,
Sentiria no ar, o teu paladar.

Seria mais feliz em todos os momentos,
Como o caminhante exausto que passa,
Sentindo na brisa essa fresca graça,
Adormece ao luar, com seus pensamentos.

Sem querer ser como o musgo dos pinheiros,
Quedo com esse seu triste amanhecer,
Caminha o pensamento para te ver,
Na ansiedade de serem companheiros.

Todo o feitiço deixado com o luar,
Nas teias do amor todo o seu enredo,
Ter esse pensamento o triste medo,
De amar a vida com esse teu olhar.

Carlos Cebolo