Acerca de mim

A minha foto
Tudo o que quero e não posso, tudo o que posso mas não devo, tudo o que devo mas receio. Queria mudar o Mundo, acabar com a fome, com a tristeza, com a maldade.Promover o bem, a harmonia, intensificar o AMOR. Tudo o que quero mas não posso. Romper com o passado porque ele existe, acabar com o medo porque ele existe, promover o futuro que é incerto.Dar vivas ao AMOR. A frustração de querer e não poder!...Quando tudo parece mostrar que é possível fazer voar o sonho!...Quando o sonho se torna pesadelo!...O melhor é tapar os olhos e não ver; fechar os ouvidos e não ouvir;impedir o pensamento de fluir. Enfim; ser sensato e cair na realidade da vida, mas ficar com a agradável consciência que o sonho poderia ser maravilhoso!...

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

CONTO INFANTIL - O patinho Amarelo - PARA A MINHA NETA LIA

    



Numa quinta onde havia muitos animais grandes, como cavalos, vacas e ovelhas e que era guardada por um grande cão, havia também um pequeno patinho amarelo que andava sempre muito aborrecido por não ter com quem brincar! Perguntava aos cavalos – Cavalinhos, eu sou pequenino não tenho com quem brincar!... Querem brincar comigo? Os cavalos respondiam: - Não podemos patinho! temos de trabalhar! Puxar o arado para lavrar a terra e levar a carroça com os legumes à feira, onde o nosso dono vai vender os produtos da quinta! Vai perguntar aos outros animais?! Perguntava às vacas: - vaquinhas eu sou pequenino não tenho com quem brincar! Querem brincar comigo? As vacas respondiam: - Não podemos patinho, temos de comer muita erva para dar bom leite para o nosso dono vender na cidade e fazer queijos e iogurtes! Vai procurar outros para brincar contigo! O patinho coitado andava triste com a cabeça baixa, pois ninguém queria brincar com ele. Chegou-se junto das ovelhas e perguntou: - Ovelhas querem brincar comigo? Mas estas também responderam: - Não podemos patinho, temos de comer muita erva fresca para dar boa lã para o nosso dono nos tosquiar e vender na cidade! Nas fabricar onde fazem casaquinhos quentinhos para os meninos vestirem! O patinho amarelo coitado, andava sempre de um lado para o outro, à procura de um companheiro para brincar! De repente lembrou-se: Talvez o cão que está ali sempre deitado, não trabalha, queira brincar comigo?! E cheio de esperanças abeirou-se do cão e perguntou: - Cãozinho lindo queres brincar comigo? Eu sou pequenino não tenho com quem brincar? Mas nem o cão da quinta podia brincar com ele! E o cão Disse: - não posso patinho! Tenho de tomar conta da quinta para os ladrões não roubarem e se vou brincar, o nosso dono ficará zangado! Os outros animais ao fim do dia, quando acabavam o trabalho passavam pelo patinho e cantavam:  O patinho amarelo é bonacheirão, anda, anda, anda sempre a olhar p´ro chão! - Um dia, vendo o portão da quinta aberto, pois o dono da quinta tinha ido à cidade e o cão tinha ido beber água! saiu por ele e foi pelo caminho fora à procura de alguém com quem brincar!... Andou, andou e chegou a uma pequena casa à beira de um lago. Cheio de coragem bateu à porta; - Truz! Truz, truz! Lá de dentro ouviu-se uma voz que perguntou Quem é? O patinho amarelo cheio de coragem respondeu: - Sou o patinho amarelo que se sente sozinho e venho à procura de um amigo para brincar?! A porta abriu-se e apareceu um pequeno sapo verde e amarelo que disse: sejas bem-vindo à minha casa. Eu sou o sapo cocas e também estou sozinho! Assim já somos dois para brincar! Depois de muito brincarem, o patinho amarelo disse: -Sabes amigo! A brincadeira está muito boa, mas se houvesse mais alguém para brincar connosco seria muito mais divertido!... Então o sapo cocas lembrou-se que conhecia na floresta um amigo que não se importava de brincar com eles. Assim, meteram-se a caminho pela floresta dentro e encontraram uma casa feita numa árvore. Bateram à porta e ouviram um guincho vindo de dentro da casa. Uíc!, uíc. O patinho amarelo estava a ficar assustado, mas o sapo cocas sossegou-o dizendo:- Não tenhas medo!. É apenas o malandro do meu amigo Chico. Vais ver que vais gostar dele?! À porta da casa apareceu de um salto um pequeno macaquinho que disse: - Viva! Eu sou o Chico chicão e gosto muito de brincar e os amigos do meu amigo cocas também são meus amigos! Vamos brincar os três. Mas só os três? Não tens mais nenhum amigo aqui perto? Perguntou o patinho. Tenho pois?!, podemos ir buscar o senhor leitão que também gosta muito de brincar! E lá foram. Junto a um rio encontraram uma casinha e o Chico Chicão bateu à porta e chamou senhor leitão, senhor leitão! Lá de dentro ouviu-se uma voz: Quem é? Sou eu o Chico Chicão e venho com uns amigos para brincar? A porta abriu-se e apareceu o senhor leitão que disse: Olá amigo Chico! Quem são os teus amigos? O Chico disse: Este aqui ao lado é o sapo cocas que mora no lago e o outro é o patinho amarelo que vive na quinta! Viemos todos brincar contigo! Muito bem disse o senhor leitão, mas esperem um momento que eu tenho uma surpresa. Entrou em casa e chamo: - Tedy, Tedy, vem cá! O Chico chicão olhou para o sapinho e para o patinho e disse muito admirado: Tedy!? Quem é? Não conheço! O senhor leitão sempre viveu sozinho!...Nesse momento apareceu à porta um ursinho que disse: Olá, eu sou o Tedy o ursinho polar e vim do pólo norte onde vivo, para passar umas férias aqui com o meu amigo leitão! Muito bem disse o senhor leitão, apresentando os outros. Ursinho, este que está ao teu lado é o Chico Chicão e vive na floresta; o outro é o sapo cocas que vive no lago e o último é o patinho amarelo que mora na quinta. Agora já somos cinco, já podemos brincar todos juntos. E lá foram brincar. Brincaram à apanhada, à roda, brincaram com as borboletas, com os passarinhos, com as joaninhas, brincaram toda a tarde. A certa altura, o senhor leitão disse: Bem amiguinhos, a brincadeira está muito boa, mas eu tenho de ir fazer o jantar! Brinca mais um bocado ursinho, mas não te demores que já se faz tarde! Assim, ficaram quatro a brincar. Passado mais algum tempo, o ursinho disse: olhem amigos, eu também tenho de me retirar. Sou convidado e é muito feio um convidado fazer o dono da casa esperar. Até amanhã; e saiu. Ficaram apenas os três a brincar e foram a caminho da floresta onde vivia o macaquinho. Quando chegaram junto às árvores e Chico viu que já estava a ficar escuro. O Sol já se estava a esconder no Horizonte. Então disse: - Que pena, o dia está a acabar e eu tenho de ir para casa. Não posso chegar depois do meu pai, senão ele fica zangado. Até a amanhã amigos. Amanhã voltem para brincarmos outra vez! O sapinho vendo que realmente estava a ficar escuro, disse. Bem patinho, eu também vou para casa e tu também tens que ir para a quinta já está a ficar escuro e não é bom anda à noite sozinho! Até amanhã patinho, dorme bem. O patinho lá foi sozinho para a Quinta. Quando chegou ao portão, estava lá o cão que disse: Ora viva patinho! Onde estiveste o dia todo? Eu não te vi por cá? O patinho muito contente respondeu; - Fui brincar, encontrei quatro amigos que brincaram comigo e estou muito feliz. Amanhã vou brincar outra vez! Nisto vinham do trabalho, os outros animais da quinta e ao verem o patinho começaram a cantar: - O patinho amarelo é bonacheirão, anda, anda, anda sempre a olhar p´ro chão! O patinho muito feliz interrompeu a cantiga e disse. Não! Já não é assim que se canta! Olá patinho disse o cavalo. Estás muito feliz! Então diz lá como se canta agora? E o patinho começou a cantar: - O patinho amarelo é um amigão, a uma brincadeira nunca diz que não. O patinho amarelo é um amigão, a uma brincadeira nunca diz que não! E foi para a sua casinha muito contente. Dormiu muito bem e sonhou com os seus novos amiguinhos e com as brincadeiras. E assim viveu feliz para sempre.

F I M

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Um conto infantil - O Príncipe que queria casar

     



Conto Infantil
O Príncipe que queria casar

              Era uma vez um príncipe que queria casar. Então mandou preparar uma grande festa nos jardins do seu palácio e convidou todas as meninas do seu reino.
              No dia da festa foi á varanda do castelo e perguntou às pessoas que estavam no jardim.
              - Quem quer ser a minha noiva?
             Todas as meninas que lá estavam responderam:
              - Quero eu, quero eu!...
             Então o príncipe olhou para o fundo do pátio e viu uma linda menina que estava muito envergonhada e meio escondida por uma árvore. O príncipe chamou-a e perguntou:
             - Como te chamas?
            A menina muito envergonhada respondeu:
             – Chamo-me Alice e venho de um país muito distante que se chama o país das maravilhas!
           O príncipe encantado com a beleza da menina disse:
           - És muito linda! Queres ser minha noiva?
           Alice respondeu que sim.
          O príncipe e a sua princesa foram passear pelos jardins do palácio, mas de repente, lembrou-se que necessitavam de uma bailarina para dançar na sua festa! Então voltaram atrás e o príncipe perguntou às outras meninas:
          - Quem quer ser a bailarina no meu baile?
          - Quero eu, quero eu, respondeu uma menina também muito bonita.
        O príncipe perguntou:
        - Como te chamas?
        A menina respondeu:
        - Chamo-me Bela e sou a bailarina da cidade.
        - Muito bem disse o príncipe. Vamos todos para o palácio. Mas de repente lembrou-se que necessitavam de um padre ou de um santo para os casar? Então perguntou ao povo:
        - Há aí algum padre ou homem santo que nos queira casar?
        Ninguém respondeu.
        O príncipe já estava a ficar triste quando de repente apareceu no seu trenó o pai Natal que disse:
        - Oh! Oh! Oh!….Eu sou o santo Nicolau, mais conhecido por Pai Natal e posso casar-vos se vossa majestade assim o quiser.
        - Obrigado pai Natal disse o príncipe todo contente. Vamos então para o palácio para começar a festa do casamento.
       Nisto a princesa escorregou e magoou um pé.
       O príncipe muito aflito perguntou:
       - Há por aí alguém que possa curar a minha amada?
       Uma voz vinda da multidão respondeu:
      - Eu!... Eu posso curar a princesa!
      O príncipe perguntou:  
      - Como ter chamas?
     A menina que tinha o braço levantado respondeu:
     - Sou a enfermeira Maria e trabalho no hospital da cidade!
     Ainda bem disse o príncipe. Assim já somos cinco. Eu, a princesa, a bailarina, o pai natal e a enfermeira. Cinco dedos tem uma mão. Vamos todos contar. I,2,3,4,5. E com cinco dedos se pode contar muitas histórias, basta usar a imaginação.
   A enfermeira curou o pé da princesa e foram todos para o palácio onde havia uma grande festa. Depois do casamento o príncipe e a princesa foram até ao país das maravilhas, onde viveram felizes para sempre.


                                                            F I M