Acerca de mim

A minha foto
Tudo o que quero e não posso, tudo o que posso mas não devo, tudo o que devo mas receio. Queria mudar o Mundo, acabar com a fome, com a tristeza, com a maldade.Promover o bem, a harmonia, intensificar o AMOR. Tudo o que quero mas não posso. Romper com o passado porque ele existe, acabar com o medo porque ele existe, promover o futuro que é incerto.Dar vivas ao AMOR. A frustração de querer e não poder!...Quando tudo parece mostrar que é possível fazer voar o sonho!...Quando o sonho se torna pesadelo!...O melhor é tapar os olhos e não ver; fechar os ouvidos e não ouvir;impedir o pensamento de fluir. Enfim; ser sensato e cair na realidade da vida, mas ficar com a agradável consciência que o sonho poderia ser maravilhoso!...

sábado, 23 de abril de 2016


A Joaninha e a Fada Flor

Num lindo dia de primavera, nasceu um pequeno insecto arredondado que não tinha cor; era transparente.
O pequeno insecto andava de flor em flor, mas sempre escondido, pois os outros insectos gozavam com ele, chamando-o de albino.
O pequeno insecto via à sua volta lindas borboletas com várias cores, gafanhotos verdes e alaranjados, grilos de uma cor negra lustrosa e muitos outros insectos lindos, mas só ele é que não tinha cor.
A fada flor, que é a rainha da primavera, vendo que o pequeno insecto andava triste, perguntou o que ele sentia. Qual a razão de andar sempre triste a chorar?
O pequeno insecto com lágrimas nos olhos disse que não gostava da primavera.
Não gostas da primavera! Admirou-se a fada flor. E continuou a falar com o pequeno insecto:
- A primavera é a estação das flores, da alegria e da Natureza com muitas e belas cores.
O pequeno insecto quando ouviu a palavra cor, começou a chorar e chorava de tal forma que a fada se comoveu.
Flor pegou com muito cuidado o pequeno insecto e embalou-o no seu colo, ao mesmo tempo que dizia:
- Diz-me o que sentes amiguinho. Talvez eu te possa ajudar.
O pequenino insecto, ainda a soluçar, disse que gostava de ter uma cor linda e não ser só transparente.
A fada flor que gostava muito de todos os animaizinhos da Natureza, levou o pequeno insecto a um campo cheio de flores e perguntou:
- Qual a flor que mais gostas?
O pequeno insecto voou e foi poisar numa linda papoila e disse:
- Gosto muito desta!...
Então a fada flor pegou numa pequena varinha, fez um gesto e disse:
- Perlim pim pim  ficas da cor de carmim.
O pequeno insecto sentiu que estava diferente e olhando para as suas asas, verificou que estas estavam, da cor da papoila. Ficou contente por já ter uma cor, mas nisto apareceu um grilo negro muito lustroso a cantar junto da papoila.
O pequeno insecto olhou para a fada e disse:
- Gosto muito da cor que me deste, mas também gosto da cor do grilo é tão brilhante!...
A fada flor pegou novamente na varinha e disse:
Que assim seja feito meu amigo. Ficas com o corpo negro e com pintas negras nas tuas asas vermelhas e baptizo-te de Joaninha e serás a marca da primavera. Sempre que aparecer uma Joaninha é porque a primavera chegou ou está para chegar.
A Joaninha muito contente, agradeceu à fada flor e voo de flor em flor, levando nas suas pequenas patinhas o pólen de uma para outra, fazendo com que nascessem mais e mais flores.
E assim, com a sua bela cor vermelha com pintas negras viveu a Joaninha feliz para sempre.
FIM
Carlos Cebolo


Sem comentários:

Enviar um comentário